Atípico

Atípico – Tipografia e Desenho de Tipo
Palestra do Frederico Antunes (ChibaChiba)
Site ChibaChiba ou Flickr ChibaChiba
Dia 26/10 (terça-feira) às 20:30min, Auditório 400
Prédio Engenharia Nova – UFRGS – 4º andar

Imagens que inspiram

Pessoal, mandamos estas imagens para inspira-los assim como nos sentimos inspirados!

Algumas imagens são conhecidas e outras não, mas de qualquer forma, são maravilhosas. A tipografia pode ser extremamente inspiradora tanto para quem quer trabalhar com tipografia, mas também para todas as áreas criativas.

As imagens foram enviadas pelo Ed do Deixa de Nerdice! Valeeeu!

Grande abraço galera

E mais este🙂

http://www.flickr.com/photos/zerogrizzly/2261056775/sizes/m/in/photostream/

Sobre Jan Tschichold

Antes de começar a escrever gostaria de fazer algumas apresentações e comentários. Meu nome é Rafaela Paludo, sou estudante de Desenho Industrial e completamente fascinada por tipografia. O pessoal  do TipoQ?, sabendo disso, me convidou para escrever um texto no blog, e eu prontamente aceitei. E agora cá estou eu, para falar um pouco sobre o profissional incrível que foi Jan Tschichold.

Alemão nascido na cidade de Leipzig, Tschichold desde cedo praticava pintura de letras e caligrafia – o que lhe rendeu grande conhecimento do formato das letras e um convite para dar aulas de caligrafia na Academia de Belas Artes de Leipzig. É engraçado como, em um certo momento de sua vida, Tschichold deixou de lado as regras tradicionais da tipografia que havia estudado durante anos. Começou a realizar trabalhos experimentais com base nos princípios da neue typographie, que propunha novos conceitos de tipografia, alinhados com os ideais modernistas.

Robert Bringhurst, na introdução que escreveu para a última edição de A Forma do Livro, comenta sobre essa mudança no estilo de Tschichold, e como ele, com o tempo, foi percebendo o quanto os tais ideais modernistas não contribuíam tanto quanto a herança da Renascença no que diz respeito ao conforto do leitor ao ler um livro. A partir de então, Jan Tschichold migrou novamente para a maneira tradicional de diagramar conteúdos. Em A Forma do Livro, ele fala com a autoridade de quem se aprofundou nos princípios estéticos de ambas as vertentes sobre como a tradição da tipografia é algo importante: são regras que não necessitam ser modificadas, pois funcionam. E muito bem.

Uma das coisas que mais me chamou a atenção nesse livro do Tschichold é a maneira apaixonada como ele defende regras básicas da composição de texto, como recuo de parágrafos, tamanho das margens adequado, entrelinhamento, etc. Se você ainda acha que livro em formato quadrado é bonito e moderno, Tschichold com certeza vai te convencer do contrário. A Forma do Livro foi um dos livros que li esse ano que mais gostei, e não canso de recomendar para as pessoas, principalmente os interessados em tipografia e diagramação.

Não poderia deixar de falar sobre a fonte Sabon – criada a partir dos desenhos de Garamond por Tschichold. Este destaca muitas vezes a importância da utilização das fontes clássicas e serifadas, mostrando que os experimentos modernistas eram uma página virada na sua vida.

Gostaria de finalizar este texto com um trecho de Robert Bringhurst em sua introdução de A Forma do Livro: “Ele (Jan Tschichold) queria, portanto, não só desenhar a página perfeita, mas também entender a gramática interna de seu próprio design, a fim de ensinar os princípios básicos a outros. A razão era simples: o que queria não era encontrar refúgio numa biblioteca melhor mas viver num mundo melhor”. E Jan Tschichold é exatamente assim, inspirador.

Fontes consultadas:
TSCHICHOLD, Jan. A forma do livro: ensaios sobre tipografia e estética do livro. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2007.
Linotype (Jan Tschichold)
Sabon
Tschichold

Profissão Typedesigner + O Alfabeto Enfurecido

PROFISSÃO TYPEDESIGNER

Fábio Haag
Typedesigner e Diretor na América do Sul da Dalton Maag, uma das empresas
líderes no design de fontes corporativas na Europa. Através de escritórios na
Inglaterra, Brasil e Egito, a Dalton Maag atende clientes como BMW, Puma, Virgin, Vodafone e Toyota.

Quando: 14 de abril as 20hs
Onde: UFRGS / Auditório 400 da Engenharia Nova
(Av. Osvaldo Aranha, 99 – 4º andar- Centro – Porto Alegre)

.

.


O ALFABETO ENFURECIDO

Faltam palavras. Dizem que uma criança de dez anos hoje possui um vocabulário maior que um adulto médio do século XVI. Da época de Shakespeare até hoje surgiram milhares de palavras novas e é comum jovens dominarem mais de um idioma. O novo Aurélio eletrônico reúne 435.000 verbetes, locuções e definições, 110.000 etimologias e 54.000 exemplos e abonações de mais de 1.400 autores. Mas, é possível que não existam nele palavras suficientes… Os melhores momentos da vida são marcados pelo silêncio das frases, ou quando tudo que você consegue expressar é um suspiro ou grito de alegria. Isso é só seu, e mesmo que você quisesse nos contar não poderia, pois faltam palavras. Isso tudo nos leva a questionar: até onde a linguagem pode comunicar o mundo?
E, dentro dessa temática, vale a pena conferir, a exposição internacional dos artistas León Ferrari e Mira Schendel,
“O ALFABETO ENFURECIDO”,  está em exposição de 9 de abril a 11 de julho das 12h às 19h, na Fundação Iberê Camargo.
Contribuição  HUMANUS

+eventos

Para saber de mais eventos  acessa:
Agendat ou via twitter @AgendaT

DiaTipo Natal

O DiaTipo é um encontro de tipografia que foi criado em 2007  com a idéia de reunir o povo que participa da lista de tipografia. Em 2008 aconteceu o primeiro DiaTipo Natal, aproveitando a vinda para Brasil de alguns designers que moram no exterior, e em 2009 decidiram repetir a dose.  E sim! O tipo Q? estava lá. \o/
O evento aconteceu dia 21 de dezembro e foi transmitido ao vivo com o apoio da faculdade Impacta e o esforço de Henrique Nardi e Joatan, entre outros colaboradores. As apresentações foram curtas para que todos os palestrantes pudessem se apresentar dando maior valor ao encontro, e estas apresentações podem ser vistas no SITE do evento.
A sequência de palestras foi:
ANDRÉ STOLARSKI: A escrita da história e a história da escrita: ampliando os limites cronológicos do design gráfico.
DANIELA FONTINELE: Tipografia no Sudeste Asiático e outras pérolas do Oriente.
MATHEUS BARBOSA: As inspirações tipográficas que Nassau deixou.
MARCONI LIMA: Pétala Type Family: um exercício zen Críticas tipográficas: Fernando Caro, Eduilson Coan e Thiago Matsunaga.
RAFAEL NEDER: Tipografia ontem, hoje e sempre.
GUSTAVO LASSALA: Fonte digital Adrenalina: “pixação”, design e tecnologia.
FABIO HAAG: Comprar fontes? Fala sério…
RICARDO ESTEVES: Outras Fontes, novas mídias, novos desafios projetuais.
AtypI 2009: México.
PRISCILA FARIAS: Brazilian vernacular type design and digital technologies.
Depois de um dia inteiro falando sobre tipografia o pessoal ainda decidiu continuar a conversa num BAR.
Fotos do evento: DiaTipo Natal
Apesar de termos participado deste evento, esperamos que aqui no sul também possamos fazer este tipo de encontros, valorizando o trabalho local e melhor distribuindo informação para quem não tem a oportunidade de viajar. Esse é o desejo de ano novo do grupo tipo Q? para 2010!

Stop Motion

Os alunos da disciplina de Representação Bidimensional – Ilustração (Design Uniritter) tiveram que provar que eram capazes de produzir um projeto de Stop Motion em um curto período de tempo e trabalhando em equipe.

Você pode votar e escolher aquele o melhor projeto.  Vote aqui

Abaixo segue o link para o vídeo de cada projeto!

Você poderá contribuir com seu voto até as 21 horas do dia 17 de Dezembro de 2009

Tipografia Experimental

No livro Projeto tipografico, Cláudio Rocha  classifica as fontes em dois tipos classico e experimental, o segundo estilo  é marcado por sua irreverência e descompromisso com a legibilidade e  as formas classicas das letras, este tipo de experimentação quando bem utilizada possui um grande impacto visual podendo valorizar a mensagem transmitida.

“Tipografia experimental de forma geral esta ligada ao que se costuma chamar design de autor, em que a visão e o estilo de um designer são expressos em seu trabalho amarrados por uma proposta mais ou menos reconhecível…
O experimentalismo pode seguir em várias direções. A mistura de estilos, distorções óticas, caligrafias inusitadas e todo tipo de variações geométricas são alguns dos caminhos.”
ROCHA, Cláudio. Projeto tipográfico: análise e produção de fontes digitais.
São Paulo : Rosari, 2002.142 p.

Um exemplo de experimentos com fotografia + tipografia é o da  estudante de design Silvia Froemming Pont que  criou um alfabeto experimental utilizando objetos comuns de casa para construir as letras.

Outro exemplo bem conhecido que utiliza o negativo dos prédios pra construir as letras, criado pela designer Lisa Rienermann que ganhou o Type Directors Club New York 2007

Links relacionados:
Projeto Evergreen: Autobahn
Fontes experimentais para compra: handmadefont
Plugin que utiliza imagens como fonte: photofont


SEÇÕES

TWITTER

PÁGINAS